as coisas mudaram por aqui

Aloha, meu povo!

Pois é, troquei o layout do blog. Não que eu não gostasse do antigo, mas ele tinha um visual super pesado e a paleta de cores não ornava de jeito nenhum huahauah. Precisava de algo um pouco mais leve, mais limpo, e que também me ajudasse a localizar melhor as coisas aqui.

Não que agora tenham muitas, porque eu deletei todos os posts antigos e vários drafts vazios (que eu acumulava por motivos que só Deus sabe). As tags também foram pro buraco e eu não tô com muita saudade, não – na época botei tudo numa linguagem meio xóvem que não só não combinava comigo, mas deixava tudo muito cafona!

por que a gente fazia isso, Deus, PQ PERMITISTE

Enfim, superadas as vergonhas do passado, peguei uma gripe maravilhosa, e por culpa das noites mal dormidas eu tenho assistido muito mais bobagem no Youtube do que o normal. Pra quê procurar sobre física quântica se eu posso ver vídeo do Orochinho, não é mesmo? Meus pais (e os vizinhos, provavelmente) já não dormem por conta da tosse, umas risadas a mais não vão fazer diferença.

Então, é isso, minhas madrugadas agora se resumem a reacts de Enigma, ASMR de comida e umas coisas aleatória como tutoriais de cabelo, cenas de filme e umas recomendações bizarras, tipo essa rotina de cuidados com o pé.

Não tenho andado muito animada com Netflix ultimamente (inclusive, cancelei), mas talvez eu retorne algum dia para ver o que vai acontecer em As Telefonistas. E, pasme, talvez 3%, dependendo de quanto tempo levar para a quarta temporada sair.

Olha, eu não dava nada pra série – sou muito fã do piloto e torci o nariz pra algumas mudanças. Fora algumas atuações meio… duvidosas. Enfim, achei o lance todo meio clichê, e a primeira temporada não me deixou muito empolgada, MAAAAAS

As coisas mudaram MUITO a partir da segunda, vários plot twists muito bons, revelações bombásticas e tal.

Claro, eu ainda amarguei alguns (vários) momentos de ranço com a Michele (não adianta, não engulo essa menina e infelizmente o roteiro é todo escrito pra protagonizá-la o máximo possível) e com o Fernando (QUE MLK GADO, MDS), mas Joana e Rafael me mantiveram firme ao longo do caminho. Inclusive, pode matar todo mundo e deixar só os dois, eu ficaria muito feliz e tenho certeza que minha opinião é compartilhada pela maioria.

E pra você ver que o mundo realmente dá voltas: a Joana e o Rafael são os maiores cuzões no começo, cheguei até a torcer pra eles morrerem em um ponto da história e hoje eles são os meus favoritos hahaha

Pretendo fazer um post falando melhor mais pra frente, mas por enquanto, prefiro me manter na paz. Eu provavelmente deveria aproveitar os meus últimos dias de assinatura, mas da última vez que fiz isso para relaxar, acabei berrando no meu travesseiro e pensando como a gente tem gosto ruim pras coisas quando é adolescente.

Paz e benção a todos!

para todos os filmes de romance clichês que eu já vi

Ok, eu sei que o filme saiu há décadas atrás, mas eu só consegui achar a disposição pra assistí-lo hoje – bateu aquela vontade de assistir um filminho bobo pra passar o tempo e cair no sono, sabe?

Sem muitas emoções. Sem reações intensas. Sem vontades loucas de pular na tela e enforcar metade dos personagens.

Então, uma parte deu errado, porque até tô com os olhinhos quase fechando, mas eu quero antes dar um esmurrão no travesseiro de raiva.

Porque NÃO É POSSÍVEL que todo mundo seja tão burro assim. Sério. Não tem como. Eu sei que é um filme de adolescentes (e para adolescentes), e que as coisas que eu assistia eram tão ruins ou piores, mas…

Não dá. A Laura Jean é intragável.